Autoconhecimento Vida Cristã

Procure motivos para sorrir, caso não ache, ria disso!

10/04/2017
solidão

Quando eu era criança eu tinha medo. Eu temia ficar sozinha, motivo pelo qual praticamente não frequentei a pré-escola, minhas irmãs tinham que me levar e ficar lá, eu ia toda hora no banheiro pra conferir se elas estavam lá mesmo, e quando não estavam eu entrava em pânico. As únicas lembranças que tenho da escolinha é de uma sala escura e um diretor gritando com uma criança que chorava, foi um dia ruim, me lembro também do dia que sai para brincar na areia e uma japonesa gordinha sorriu pra mim, ela me estendeu a mão na fila, nós brincamos no escorregador e corremos pelo parque, foi um dia legal.


Eu era muito feia, não que eu não seja mais, mas fui pior. Eu tinha vergonha de rir, meus dentes eram enormes, e eu tinha bochecha de fofão. Mas eu sempre ria e as pessoas riam de mim porque meus dentes eram mesmo muito feios. Aos 11 anos coloquei aparelho dentário, foi quando realmente deixei de me envergonhar e segurar o riso, não que meus dentes tenham melhorado, eu usei o aparelho até os 22 anos. Mas minhas lembranças são todas dos risos que dei. Eu realmente sorri muito em toda minha adolescência, e me recordo que meu maior medo era um dia perder a vontade de sorrir por qualquer coisa, e principalmente rir de mim, porque a gente tem aquela fase que se importa demais com que os outros pensam da gente e, isso acaba influenciando o seu riso, que as vezes sai forçado para não desagradar ou para agradar mesmo quando te desagrada. Eu tinha medo de ser adulta e deixar de sorrir. Pela Graça de Deus isso nunca aconteceu, afinal eu não desaprendi a rir de mim mesmo, e de rir, sorrir e gargalhar pelos motivos mais banais. Como isso é bom!

Não tenho saudade alguma da época em que eu me esforçava para ser legal e provocar o riso nos outros mesmo quando eu não tinha vontade de sorrir. Depois que você passa a não ligar, a não se importar em impressionar ou cativar. Você passa a ser só você, e quem gostar, tudo bem. Quem não gostar, paciência!

As vezes olho pra trás e repenso situações e momentos que já vivi nos quais precisei ficar sozinha e encarar uma sala escura, caso não tivesse perdido o medo, jamais teria encarado com humor, eu poderia ter deixado de sorrir. Talvez eu tivesse sucumbido e deixado de pegar na mão de muita gente e isso teria me privado de viver dias legais. Deus trouxe alegria a meu coração, os dias ruins já não me trazem mais medo. Isso explica o porque eu sempre estou sorrindo, mesmo que as vezes o coração esteja apertado, o riso é espontâneo. Desde quando descobri que não há nada melhor do que sorrir, e que isso torna a vida mais leve, traz segurança, tranquilidade, paz, não guardei o riso. — Acho que cada dia que passa, tenho menos paciência com as pessoas que enxergam tudo pelo lado negativo, reclamam de tudo e todos, culpam os outros pelos seus problemas, culpam as situações e ficam presas a elas, se vitimizam e tornam a vida pesada. Bom, os dramas devem ficar nos filmes! Aqueles que vivem uma vida amarga, acabam amargando a vida dos outros, essas pessoas dificilmente soltam o riso, dificilmente vão pegar na sua mão, sorrir pra você e proporcionar um dia legal. A amargura é um veneno para alma. Dizem que sorrir faz bem a saúde, realmente eu acho que faz, pois, me sinto muito bem!

O coração alegre aformoseia o rosto; mas pela dor do coração o espírito se abate. – Provérbios 15:13

Procure motivos para sorrir, caso não ache, ria disso!


Você pode gostar também

1 Comentário

  • Resposta Yasmin Oliveira 11/04/2017 em 3:12 AM

    Melhor texto!!

  • Deixe uma Resposta