Feminismo

O que é Sororidade – Segundo uma Feminista

14/04/2018
people-2557399_1280




Vez ou outra surge uma feminista na minha fan page no facebook querendo me convencer de que é possível ser feminista cristã, logo eu que faço questão de sempre estudar o feminismo e destacar a incompatibilidade que há com o cristianismo! Recentemente uma delas quis explicar a uma das minhas seguidoras, o que é a tal da sororidade:

sorori-1“É a empatia que UMA MULHER tem que ter pela outra MULHER. É entender que todas temos as mesmas angústias e as mesmas lutas. Que uma mulher não deve desrespeitar e desqualificar outra.”

Copiei exatamente como foi escrito, os destaques em caps lock, inclusive. Agora perceba a mentalidade de seita:

  • Há uma imposição à mulher, por si só já derruba a ideia de liberdade pregada pelo próprio movimento. Se uma mulher tem o dever de ter empatia por outra apenas por possuírem o mesmo sexo, então ela não é livre pra sentir o que quiser. A palavra de ordem é “tem que ter”;
  • A mulher não é um individuo, mas, um coletivo que tem as mesmas angústias e lutas. É preciso entender isso para ser feminista. Ou seja, negar sua própria vida, história e consequentemente suas conquistas pessoais em detrimento das outras mulheres;
  • O respeito e os méritos são medidos pelo gênero. E uma mulher, segundo o pensamento feminista, não deve (mais uma ordem) desrespeitar e desqualificar outra.

É nítido como o pensamento feminista nutre uma mente pueril. É impressionante como elas enxergam a mulher como um ser idôneo. Vale destacar que isso ocorre até a mulher discordar do movimento, a partir daí ela é tratada como ”um homem”. É por isso que defino ”sororidade” (empatia que uma feminista diz ter pela outra) – como uma prática religiosa, já que elas se veem como irmãs, ou, manxs.

A distinção entre esse pensamento feminista e o cristianismo, é que a fé cristã nos encoraja a denunciar injustiças contra inocentes e praticar caridade, reconhecer méritos e repudiar malfeitorias, mas, sem levarmos em conta o gênero. Até mesmo porque para o cristão o foco está na Pessoa de Cristo, e o Apóstolo Paulo diz que em Cristo não há homem ou mulher, porque em Cristo todos são um.

Não há judeu nem grego, escravo nem livre, homem nem mulher; pois todos são um em Cristo Jesus. Galatas 3:28

Como cristãos, somos encorajados a olhar o próximo como olhamos para nós mesmos, o mesmo amor que nutro por mim, devo oferecer ao outro. Independente de sexo. E com certeza, não tem como amar o outro como amamos a nós mesmos, sem que tenhamos consciência de nossas próprias angústias e lutas que certamente não são as mesmas do que todas as pessoas do mundo. Oras, óbvio que eu seria egoísta ao comparar minha luta diária a luta diária de uma pessoa que vive na Coréia do Norte, por exemplo. Sem entender essa diferença que existe entre um ser humano e outro é IMPOSSÍVEL desenvolver empatia. Já que empatia significa a capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação.

Por essas e outras que não me canso de dizer que NÃO EXISTE FEMINISTA CRISTÃ. — A cosmovisão é completamente diferente.


Lembrando que a Bíblia narra Jesus conversando com uma mulher samaritana e a própria mulher se espanta inicialmente, não por Ele dar atenção à uma mulher sozinha, mas por ela ser de um povo que era desprezado pelos judeus, mas, na cabeça de uma feminista a passagem se trata de uma questão de gênero. Ainda qusororidade2e fosse, não se pode ignorar que Jesus confrontou a mulher ao perguntar de seu marido, sabendo Ele exatamente a vida em que ela se encontrava: “Você falou corretamente, dizendo que não tem marido. O fato é que você já teve cinco; e o homem com quem agora vive não é seu marido. O que você acabou de dizer é verdade”. (João 4: 17b – 18) — ou seja, Cristo não vê a mulher diferente do que vê o homem, ambos necessitam reconhecer seus pecados. O mesmo ocorre com a mulher cananeia que pede por atenção e Jesus primeiro a ignora ficando em silencio, por ser de um povo também desprezado pelos judeus, apenas diante de sua própria humildade é que Ele a atende. Em momento algum a Bíblia narra Jesus dando imediatamente atenção à uma mulher (mãe desesperada por ajuda) só por ela ser mulher. Pelo contrário, demonstra que Ele, como judeu, a tratou como trataria qualquer cananeu. Apenas diante da HUMILDADE daquela mulher é que Cristo se compadece dela (Marcos 7). — Jesus nunca tratou ninguém com diferença baseado em gênero. Aliás, demonstrou o valor da mulher como indivíduo dando voz, confiança e oferecendo compaixão em uma época em que ser mulher era considerado ser inferior. Ele tratou todos igualmente como pecadores necessitados de Graça. É isso que a passagem da mulher adúltera narra, “quem não tiver nenhum pecado atire a primeira pedra” é o chamado ao arrependimento, não há nada dizendo que “nenhuma mulher pode ser confrontada”, e sim, que TODO MUNDO É PECADOR NECESSITADO DE PERDÃO, por isso, a palavra de ordem é: “vá e não peques mais”.

Achar que a Bíblia nos exorta sobre “sentimento faccioso” se referindo a fábulas é o mesmo que achar que todo mundo vai ser salvo porque Deus enviou Jesus ao mundo. Tem que ser muito ignorante!


Você pode gostar também